Make your own free website on Tripod.com
 

Voltar: Página principal de Gonquer

   A traição de Laponiel

Laponiel Sezano causa divisões

Estamos na Trália, 856 AEC.

Rumores corriam em toda a nação trophana de que Gonquer Zá-Sezano, seu rei, construiria a mais poderosa cidade trophana. Parece que agora ela começaria a sair do papel. Eram dias de júbilo e festividades, mas logo toda essa alegria acabaria.

Laponiel Sezano, filho do rei, ansiava o trono, mas seu pai não parecia estar disposto a abandonar o mundo dos vivos. E a paciência de Laponiel esgotara. Ele passou a criar divisões e contendas entre todo o povo trophano para que seu pai fosse destronado e ele pudesse reinar em seu lugar o mais rápido possível. Astutamente, Laponiel seduziu a maioria dos trophanos para segui-lo, usando de meios populistas, fingindo ser um amigo dos pobres e dos atribulados, ao mesmo tempo que afirmava que os homens de posse eram roubados pelo excessivo tributo.
Como conseguia apoio e popularidade com seus discursos, uma grande multidão de homens de várias classes passou a segui-lo, até que uma parte importante das forças armadas passou a apoiá-lo.

Agora viria o golpe impiedoso: Laponiel acusou injustamente Gonquer de traição e fez com que fosse encarcerado numa das "Prisões Reais" trophanas. Naqueles dias funestos, haviam homens de honra que percebiam a manobra de Laponiel, e, arriscando suas vidas, continuaram leais à Gonquer.
Quanto a estes, Laponiel decidiu bani-los da cidade, e eles passaram a se reagrupar nas florestas, e organizaram-se de tal modo que sentiram-se motivados a invadir a cidade e libertar seu rei.

Felizmente para Gonquer Zá-Sezano, seus homens mostraram-se hábeis guerreiros, e o libertaram! Quanto a Laponiel Sezano, ao ver que o efetivo que mantinha sob seu controle não era páreo para os pró-Gonquer abandonou um pouco de suas forças na luta contra Gonquer (causando distração) e levou uma porção dos homens que puxavam da espada, bem como aldeões, e fugiu rapidamente na direção das florestas fechadas... e todo aquele povo não foi mais visto por meses.